O Triássico é um período geológico que se estende desde cerca de 252 a 201 milhões de anos. É o primeiro período da Era Mesozoica e fica entre o Permiano e Jurássico. O início e o fim do período são marcados por eventos de extinção em massa.

SUBDIVISÕES DO TRIÁSSICO

Série Estágio Datação
Superior Rético ~208,5 Ma
Noriano ~227 Ma
Carniano ~237 Ma
Médio Ladiniano ~242 Ma
Anisiano ~247,2 Ma
Inferior Olenequiano ~251,2 Ma
Induano ~251,9 Ma
Série Estágio Datação
Dados do International Chronostratigraphic Chart/2016

FÓSSEIS IDENTIFICADOS NO TRIÁSSICO

Na lista abaixo, ordenados por datação, se encontram alguns dos fósseis de dinossauros mais significativos para sua classificação.

Ixalerpeton polesinensis

ixalerpeton

Tipo: Dinossauromorfo

Existência: 237 - 228 Milhões de anos

Registro: Formação Santa Maria, Brasil

Comprimento Estimado: 40 cm

 

O Ixalerpeton polesinensis foi um pequeno pré-dinossauro primitivo, cujo nome significa "lagarto saltador de ossos brancos".

Buriolestes Schultzi

buriolestes

Tipo: Saurodomorfo

Existência: 233 Milhões de anos

Registro: Formação Santa Maria, Brasil

Comprimento Estimado: 1,5 m

 

Buriolestes schultzi foi um pequeno dinossauro sauropodomorfo primitivo e carnívoro.

Apesar de, superficialmente, parecer os dinossauros terópodes predadores, com dentes serrilhados e recurvados (bem adaptados para uma dieta carnívora), Buriolestes schultzi era parte dos sauropodomorfos, um grupo de dinossauros de maioria herbívora que ficaram muito diversos durante os Períodos Triássico e Jurássico.

Os gigantes saurópodes de pescoço muito longo, também são pertencentes à Sauropodomorpha.

Características típicas de sauropodomorfos que estão presentes em B. schultzi incluem a ponta da mandíbula voltada para baixo, uma crista deltopeitoral que se estende por grande parte do úmero, além de apresentar uma curta ala pré-acetabular no ílio. Entretanto, B. schultzi não apresenta cabeça relativamente pequena e narinas grandes, que são típicas de sauropodomorfos.

Pampadromaeus Barberenai

pampadromaeus barberenai

Tipo: Sauropodomorfo

Existência: 233-228 Milhões de anos

Registro: Formação Santa Maria, Brasil

Comprimento Estimado: 1,2 m

 

Pampadromaeus barberenai era um pequeno dinossauro bípede e cursorial. Características basais presentes em Pampadromaeus barberenai consistem de um crânio longo em relação ao comprimento do fêmur, presença de apenas duas vértebras sacrais e cerca de 15 dentes no pterigoide.

Saturnalia Tupiniquin

saturnalia tupiniquim

Tipo: Sauropodomorfo

Existência: 233.23 Milhões de anos

Registro: Formação Santa Maria, sul do Brasil; Formação de seixos Arkose, Zimbábue

Comprimento Estimado: 1.5 m (5ft.)

 

O saturnália não é apenas um dos primeiros dinossauros herbívoros conhecidos, mas também um dos primeiros dinossauros. Ele (e outros como ele) mudou-se para o nicho comedor de plantas deixado vago depois que os Dicinodontes (os ancestrais dos mamíferos) antes abundantes desapareceram misteriosamente.

Staurikosaurus Pricei

stauricosaurus pricei

Tipo: Saurísquio

Existência: 233.23 Milhões de anos

Registro: Formação Santa Maria, sul do Brasil

Comprimento Estimado: 2.25 m (7 ft. 5 in)

 

O Staurikosaurus era um pequeno comedor de carne bípede. Viveu na época em que os primeiros dinossauros começaram a aparecer. Está intimamente relacionado ao herrerassauro, mas tem um pescoço mais longo e uma constituição mais leve. No entanto, alguns cientistas acreditam que é o mesmo animal que o herrerassauro.

Eoraptor lunensis

eoraptor lunensis

Tipo: Terópode

Existência: Late Triassic, 231-228 Milhões de anos

Registro: Argentina

Comprimento Estimado: 1 m (3.25 ft.)

 

Eoraptor lunensis era um pequeno terópode bípede que vivia no que hoje é o noroeste da Argentina. Foi um dos primeiros dinossauros a evoluir. Parecia uma versão em miniatura dos temíveis terópodes que dominariam a terra nos períodos jurássico e cretáceo.

Herrerasaurus

herrerasaurus[800X640]

Tipo: Terópode

Existência: 228 Milhões de anos

Registro: Argentina

Comprimento Estimado: 3 m (9.8 ft.)

 

O herrerassauro foi um dos primeiros dinossauros e um dos primeiros terópodes. Vivia ao mesmo tempo, e na mesma área, com o eoraptor. Era um dinossauro predador de tamanho médio e rápido movimento.

Pisanosaurus

pisanosaurus

Tipo: Ornitísquio

Existência: 228–216.5 Milhões de anos

Registro: América do Sul

Comprimento Estimado: 1 m (3.3 ft.)

 

Alguns cientistas consideram o pisanossauro o primeiro ornitísquio conhecido. Outros acreditam que pode até não ser um dinossauro, e classificá-lo como um réptil intimamente relacionado.

O pisanossauro parece ter um mecanismo de mastigação que não foi visto em outros dinossauros até milhões de anos depois. Não se sabe se desenvolveu essa característica independentemente, ou se está relacionada a dinossauros ornitísquios posteriores.

Bagualosaurus Agudoensis

bagualosaurus agudoensis

Tipo: Sauropodomorfo

Existência: 237-227 Milhões de anos

Registro: Formação Santa Maria, Brasil

Comprimento Estimado: 1,5 m

 

O bagualosaurus agudoensis representa o maior sauropodomorfo carniano conhecido.

A anatomia do seu crânio e pescoço são os traços que mais o distinguem como um membro do grupo sauropodomorfo. E sua existência reforça a ideia de que os sauropodomorfos tiveram um momento inicial de alta diversificação, antes do aumento da abundância alcançado durante o Noriano (227-208,5 milhões de anos) e depois quando o grupo passou a representar um componente dominante de muitos paleoambientes.

Coelophisys

coelophisys

Tipo: Terópode

Existência: 225-190 Milhões de anos

Registro: Estados Unidos, África do Sul

Comprimento Estimado: 3 m (9.8 ft.)

 

Coelophysis era um dinossauro terópode inicial. Andou sobre duas pernas e foi rápido e ágil.

O Coelophysis tinha dentes curvos e afiados e garras que seguravam. Foi carnívoro; um espécime foi descoberto com os restos de um pequeno crocodilo dentro de sua caixa torácica.

Um grande número de coelophysis foi descoberto em conjunto. Isso sugere que era um animal de carga, talvez trabalhando em conjunto para derrubar uma presa maior.

Coelophysis é o dinossauro mais antigo conhecido por ter um osso fúrcula. Nas aves (que agora são conhecidas por terem descendido dos dinossauros terópodes), o furelo é também conhecido como o osso da sorte e faz parte do mecanismo de voo.

Unaysaurus Tolentinoy

unaysaurus tolentinoy

Tipo: Sauropodomorfo

Existência: 225 Milhões de anos

Registro: Formação Santa Maria, Brasil

Comprimento Estimado: 2,5 m

 

Membro de um grupo de dinossauros herbívoros conhecidos como Prosauropoda, que está estreitamente ligado ao Plateossauro, um dinossauro encontrado na Alemanha, o que indica que ele foi uma espécie que se espalhou com relativa facilidade pelo supercontinente Pangeia.

O único esqueleto atribuído a Unaysaurus apresenta boa preservação. Este consiste de um crânio quase completo, com uma mandíbula inferior e um esqueleto parcial com muitos dos ossos ainda ligados uns aos outros na sua posição natural (articulados). É um dos esqueletos e crânio de dinossauro mais completo, já encontrados no Brasil.

Unaysaurus é o primeiro Prosauropoda descoberto no Brasil. Prosauropodas eram semi-bípedes, estão relacionados com os saurópodes mais avançados que viriam posteriormente e que incluem algumas das maiores criaturas que já caminharam sobre a Terra, como o Brachiosaurus.

Macrocollum Itaquii

Macrocollum Itaquii

Tipo: Sauropodomorfo

Existência: 225 Milhões de anos

Registro: Formação Caturrita, Brasil

Comprimento Estimado: 3,5 m

 

Achado em 2013 e descrito em 2018 na literatura científica como o registro mais antigo de um dinossauro de pescoço longo. O pescoço do Macrocollum media 1 m de comprimento e foram encontrados dois espécimes no mesmo bloco de coleta.

Se trata do dinossauro brasileiro com a anatomia mais completa.

O crânio do Macrocollum é relativamente pequeno, medindo metade do tamanho do fêmur. As vértebras cervicais são bastante alongadas, sendo que na porção central têm comprimento 6X maior do que sua altura. No Buriolestes Schultzi, mais primitivo, essa relação é de 2,5X.

Sacisaurus Agudoensis

sacisaurus agudoensis

Tipo: Arcossauromorfo

Existência: 220 Milhões de anos

Registro: Formação Santa Maria, Brasil

Comprimento Estimado: 1,5 m

 

A mandíbula bem conservada indica que o Sacissauro tinha uma boca especializada em mastigação de plantas, o que caracteriza uma alimentação herbívora. Suas pernas longas e fortes sugerem que fosse um animal veloz.

Guaibasaurus Candelariensis

guaibasaurus candelariensis

Tipo: Sauropodomorfo

Existência: 216,6 - 212 Milhões de anos

Registro: Formação Santa Maria, Brasil

Comprimento Estimado: 1,8 m

 

Guaibasaurus é um gênero extinto de dinossauro basal.

Plateosaurus

plateosaurus

Tipo: Sauropodomorfo

Existência: 214–204 Milhões de anos

Registro: Norte da Europa, Greenland

Comprimento Estimado: 5-10 m (16.4 to 33 ft.)

 

O plateossauro é um dos dinossauros europeus mais comuns, com mais de 100 esqueletos descobertos. Foi encontrado em muitos locais do continente. O plateossauro foi um dos primeiros dinossauros a ser nomeado.

O plateossauro era um comedor de plantas bípede. Devido ao grande número de espécimes encontrados juntos em alguns locais, é provável que tenha sido um animal de rebanho.